Purificação e filtragem da água

ÁGUA

Os habitantes da ilha de Soga saciam as suas necessidades de água fazendo uso dos pequenos cursos que se podem encontrar na paisagem ou explorando as água subterrâneas através da construção de poços artesianos de qualidade variável. Ao longo dos anos foram crecendo as preocupações relativas à disponibilidade desse líquido precioso cujo caudal está progressivamente dependente da imprevisibilidade da estação das chuvas - devido ao fenómeno da desflorestação que assola a Guiné-Bissau - mas também as preocupações relativas à potabilidade, colocada em causa não só pela presença de micro-organismos mas também pela elevação da água do mar que contamina os níveis freáticos, com riscos graves para a saúde pública. 

 

Em consonância com o sexto ponto de sustentabilidade proposto pela Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas - assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos e todas - a S.O.G.A. tem concentrado os seus esforços no desenvolvimento e implementação de de medidas proativas que assegurem a qualidade da água destinada ao consumo humano.

 

Se no passado esses esforços se resumiam à sensibilização da população da ilha para a necessidade de esterelizar a água quer através da fervura da mesma, quer através da aplicação de lixívia, hoje graças à generosa contibuição da comunidade do Colégio São João de Brito, de Lisboa, Soga possui o seu primeiro equipamento para filtragem sistemática da água.

  

 

 

O sistema foi colocado a uso no recém-construído Jardim de Infância Manuela Miranda. Outros cinco equipamentos de filtragem foram já gentilmente financiados pelos esforços das escolas EB1 CondeixaEB1 PenacobaEscola Secundária Lima de Faria, aguardando expedição.